Previdência estima alta arrecadação com a regulamentação de aplicativos

Previdência estima alta arrecadação com a regulamentação de aplicativos

O panorama dos motoristas de aplicativos, como Uber e 99, está à beira de uma transformação significativa no Brasil. O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, revelou que a regulamentação proposta resultará em um acréscimo de pelo menos R$ 279 milhões mensais à Previdência Social.

Essa estimativa marca um momento crucial após a assinatura do Projeto de Lei (PL) que visa estabelecer novas regras para os motoristas de aplicativos.

A contribuição dos motoristas de aplicativos para a Previdência Social

A projeção baseia-se nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2022. Na época, o Brasil contava com 778 mil pessoas cujo principal meio de trabalho era através de aplicativos de transporte de passageiros. Assim, o governo delineou as principais regras para a regulamentação dessa profissão.

A inovação não só busca garantir direitos essenciais aos motoristas, mas também aprimorar a arrecadação previdenciária. As regras propostas incluem um salário mínimo de R$ 32,10 por hora, dividido entre R$ 8,03 relativos ao trabalho e R$ 24,07 aos custos do motorista.

Além disso, a ausência de exclusividade permite que os motoristas trabalhem em mais de uma empresa, e a jornada de 8 horas é estabelecida como condição para receber o piso nacional de R$ 1.412, podendo chegar a 12 horas em uma mesma plataforma.

Direitos e autonomia: o equilíbrio ideal

O governo propõe uma série de diretrizes, incluindo a criação da categoria de “trabalhador autônomo por plataforma” com um sindicato próprio.

A contribuição previdenciária será de 7,5% sobre o salário de contribuição (25% da renda bruta), sendo 20% a cargo da empresa. É importante destacar que 23% dos motoristas já contribuem com a Previdência, e com essas mudanças, todos terão acesso aos direitos assegurados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Essa iniciativa não apenas representa um avanço nas condições de trabalho para os motoristas de aplicativos, mas também uma contribuição substancial para o fortalecimento do sistema previdenciário brasileiro.

Portanto, a regulamentação dos motoristas de aplicativos não é apenas uma questão de direitos trabalhistas, mas também uma medida que promove a sustentabilidade e o desenvolvimento do país como um todo.

Compartilhe

NEWSLETTER

Se inscreva e fique informado

plugins premium WordPress